Dancing in the dark


I didn't want to listen to you. Understand. Craft a space inside myself to forgive you.

To see in my faults the way to salvation.

To accept the weight of my anger, a sharp razor.

What I wanted was to go away. To that place that there's no room for you.

A place that when I enter it eats me, and that only makes sense of me when I let go of my pain.

Have spent a month there. Worst case, three. Depending on how much it hurts.

The pain was so familiar to me that letting go of it felt like amputating a major organ.

Even the pain that numbs. A pact.

...

Eu não queria te escutar. Entender. Eu não queria criar espaço dentro de mim para te perdoar.

Para enxergar nas minhas falhas o caminho da salvação. 

Para aceitar o peso da minha raiva,
navalha afiada.

O que eu queria era ir pra longe. Para aquele lugar que não cabe você.

Lugar que quando eu entro me devora e só volto a fazer sentido quando me desapego da minha dor. 

Já cheguei a passar um mês naquele lugar. No pior caso, três. Depende do quanto dói.

A dor era tão conhecida minha que me desapegar parecia amputar um orgão grave. Mesmo na condição da dor que amortece. 

Pacto com a dor.


Leave a comment